sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Osho Zen Tarot - 57. Arcano Menor ― Harmonia (Dez de Água)


Ouça o seu coração, e aja de acordo com ele, qualquer que seja o risco:
Uma condição de simplicidade absoluta, custando nada menos do que tudo...
Ser simples é difícil, porque custa tudo o que você tem.
É preciso perder tudo para ser simples. 

Por isso é que as pessoas optaram por ser complicadas e se esqueceram de como ser simples.
Apenas um coração simples, porém, pulsa de mãos dadas com Deus. 

Só um coração simples canta com Deus, em profunda harmonia. 
Para chegar a tal ponto você terá que encontrar o seu próprio coração, o seu próprio pulsar, o seu próprio ritmo.
Osho Dang Dang Doko Dang, Cap. 3

Comentário:
A experiência de relaxar no coração, durante a meditação, não é algo que possa ser apossado, ou forçado. 

Ela vem naturalmente, à medida que vamos ficando mais sintonizados com o ritmo do nosso próprio silêncio interior.
A figura desta carta espelha a doçura e delicadeza dessa experiência. 

Os golfinhos que afloram do coração e perfazem um arco em direção ao terceiro olho, refletem o espírito brincalhão e a inteligência que se manifestam quando somos capazes de estabelecer conexão com o coração, e de nos mover no mundo a partir daí.
Permita-se ser mais gentil e mais receptivo neste momento, porque uma alegria indescritível espera por você logo ali, virando a esquina. 

Ninguém mais pode indicar-lhe onde ela está, e quando você a encontrar não terá palavras
para descrevê-la para os outros. 

Mas ela está ali, profundamente dentro do seu coração, madura e pronta para ser descoberta.



Lucia



Este artigo em pdf encontrado na net faz referências ao site osho.com, de onde todos os textos foram extraídos na íntegra, exceto os naipes.
Imagens - askthecards.info

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Osho Zen Tarot - 56. Arcano Menor ― Preguiça (Nove de Água)


Quando você está preguiçoso, o sabor é negativo: você simplesmente sente que não tem energia, sente-se entediado; sente-se sonolento; você simplesmente se sente morto.
Quando você está num estado de não-fazer, então, você está cheio de energia ― é um sabor muito positivo. 
Você tem energia total, transbordante. 
Você se sente radiante, borbulhante, vibrante. 
Não há sonolência, você está perfeitamente consciente. 
Você não está morto ― você está tremendamente vivo...
Há certa possibilidade de que a mente o iluda: ela pode racionalizar a preguiça como sendo não-fazer. 
Ela é capaz de dizer “Eu me tornei um mestre Zen”, ou “Eu acredito no Tao”, mas você não estará enganando ninguém. 
Apenas a você mesmo. 
Esteja alerta, portanto.
Osho A Sudden Clash of Thunder, Cap. 8

Comentário:
O cavalheiro desta figura claramente acha que já conquistou tudo. 
Senta-se na sua grande poltrona estofada e macia, à sombra do seu guarda-sol, com seus óculos escuros e seus chinelos cor-de-rosa, segurando um coquetel refrescante. 
Não sente disposição para se levantar e fazer algo, porque acha que já fez tudo. 
Ainda não se voltou para ver o espelho que está se partindo à sua direita, um sinal seguro de que essa posição que ele acha que finalmente galgou, está prestes a desmoronar e dissolver-se diante dos seus próprios olhos.
A mensagem desta carta é de que esse recanto à beira da piscina não é o seu destino final. A jornada não terminou ainda, como demonstra o pássaro branco voando na vastidão do céu. 
Sua atitude autocomplacente certamente decorre de um sentimento verdadeiro de realização, mas agora já é hora de seguir em frente. 
Não importa quão confortáveis sejam os chinelos, quão saboroso o seu coquetel: há ainda céus acima de céus esperando por serem explorados.


Lucia



Este artigo em pdf encontrado na net faz referências ao site osho.com, de onde todos os textos foram extraídos na íntegra, exceto os naipes.
Imagens - askthecards.info

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Osho Zen Tarot - 55. Arcano Menor ― Deixando Ir (Oito de Água)


Na existência não há ninguém que seja superior e ninguém que seja inferior. 
Uma folha de grama e a grande estrela são absolutamente iguais...
O homem, porém, quer estar acima dos outros, quer conquistar a natureza, e por isso precisa lutar continuamente. 
Toda complexidade é fruto dessa luta.
A pessoa inocente é aquela que renunciou à luta, que não está mais interessada em estar acima, que não está mais interessada em mostrar desempenho, em provar que é alguém especial; é aquela que se tornou semelhante a uma rosa, ou a uma gota de orvalho sobre a folha de lótus; que se tornou parte desta infinidade; aquela que se fundiu, se misturou e se tornou uma coisa só com o oceano, e agora é simplesmente uma onda; é aquela que não tem qualquer ideia do “eu”. 
O desaparecimento do “eu” é a inocência. 
Osho The White Lotus, Cap. 6

Comentário:
Nesta imagem de folhas de lótus ao amanhecer podemos ver, pela ondulação da água, que uma gota acabou de cair. 
É um momento precioso, pungente. 
Ao render-se à força da gravidade escorregando da folha, a gota perde a sua identidade anterior e junta-se à vastidão da água que está embaixo. 
Podemos imaginar que ela deva ter vacilado antes de cair, na exata fronteira entre o conhecido e o incognoscível.
Tirar esta carta em uma leitura é o reconhecimento de que alguma coisa acabou, de que algo está se completando. 
Seja o que for ― um emprego, um relacionamento, um lar que você amou, qualquer coisa que possa tê-lo ajudado a definir quem você é ― é hora de deixar isso para trás, permitindo qualquer tristeza que surja, mas sem tentar se agarrar ao que se completou.
Alguma coisa maior está esperando por você: há novas dimensões a serem descobertas. Você ultrapassou o ponto a partir do qual não há volta, e a gravidade está cumprindo a sua função. Não resista: isso significa libertação.




Lucia



Este artigo em pdf encontrado na net faz referências ao site osho.com, de onde todos os textos foram extraídos na íntegra, exceto os naipes.
Imagens - askthecards.info

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Osho Zen Tarot - 54. Arcano Menor ― Projeções (Sete de Água)


Numa sala de cinema, você olha para a tela, nunca para o fundo da sala ― o projetor está no fundo. 
O filme de fato não está na tela: é apenas uma projeção de sombra e luz. 
O filme existe apenas lá atrás, mas você nunca olha naquela direção. 
E o projetor está lá.
Sua mente está por trás da coisa toda: a mente é o projetor. 
Mas você fica sempre olhando para o outro, porque o outro é a tela.
Quando você está apaixonado, a pessoa parece linda, incomparável. 
Quando você sente ódio, a mesma pessoa parece a mais feia de todas, e você nunca se
questiona como pode a mesma pessoa ser a mais feia e a mais bonita...
A única maneira, portanto, de se chegar à verdade, é aprender como enxergar diretamente, como deixar de lado a intermediação da mente. 
Essa interferência é o problema, porque a mente só é capaz de criar sonhos... 
Com a ajuda do seu entusiasmo, o sonho começa a parecer realidade. 
Quando o entusiasmo é demasiado, então você está intoxicado, não está na posse dos
seus sentidos. 
Nessa condição, o que quer que você enxergue será apenas uma projeção sua. 
E existem tantos mundos quanto mentes, porque cada mente vive no seu próprio mundo.
Osho Hsin Hsin Ming: The Book of Nothing, Cap. 7

Comentário:
O Homem e a mulher desta carta estão se olhando; contudo, não são capazes de se enxergar com nitidez. 
Cada qual está projetando uma imagem que construiu em sua mente, de maneira a encobrir o rosto verdadeiro da pessoa para quem está olhando.
Todos nós podemos cair na armadilha de projetar “filmes” de nossa própria autoria, sobre as situações e as pessoas à nossa volta. 
Isso acontece quando não estamos plenamente conscientes de nossas expectativas, desejos e julgamentos; em vez de assumir a responsabilidade por tais expectativas, desejos e julgamentos, e de reconhecê-los como nossos, tentamos atribuí-los aos outros.
Uma projeção pode ser diabólica ou divina, perturbadora ou confortadora, mas continua sendo uma projeção ― uma nuvem que nos impede de ver a realidade como ela é. 
O único modo de escapar disso é entender como funciona o jogo. 
Quando você der com um julgamento se formando a respeito de outra pessoa, vire-o do avesso: aquilo que você está vendo no outro, na verdade, não pertence a você? 
A sua visão está límpida, ou obstruída pelo que você quer ver?




Lucia



Este artigo em pdf encontrado na net faz referências ao site osho.com, de onde todos os textos foram extraídos na íntegra, exceto os naipes.
Imagens - askthecards.info
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Selos